Outubro 6, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

‘Nosso mundo está em perigo’: Nas Nações Unidas, líderes pressionam por soluções

'Nosso mundo está em perigo': Nas Nações Unidas, líderes pressionam por soluções

Os problemas do mundo ganharam destaque na terça-feira, quando a reunião anual da Assembleia Geral das Nações Unidas de líderes mundiais começou com avaliações angustiantes de um planeta assolado por crises e conflitos crescentes com os quais o sistema internacional envelhecido parece cada vez mais mal equipado para lidar.

Depois de dois anos em que muitos líderes foram sobrecarregados por vídeo devido à pandemia de coronavírus, presidentes, primeiros-ministros, reis e ministros das Relações Exteriores agora se reuniram quase pessoalmente para o primeiro evento global de diplomacia.

Mas o tom está longe de ser festivo. Pelo contrário, é o guincho de um mundo tenso e inquietante.

“Estamos presos em uma enorme disfunção global”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, acrescentando que “nosso mundo está em risco – e paralisado”.

Ele e outros apontaram conflitos que vão desde a guerra de seis meses da Rússia na Ucrânia até o conflito de décadas entre Israel e os palestinos. Os palestrantes expressaram preocupação com as mudanças climáticas, aumento dos preços dos combustíveis, escassez de alimentos, desigualdade econômica, imigração, desinformação, discriminação, discurso de ódio, saúde pública e muito mais.

As prioridades variavam, assim como as prescrições para o tratamento de doenças humanas. Mas em um fórum dedicado à ideia de unir o mundo, vários líderes trouxeram um tema comum: O mundo precisa de cooperação, diálogo e confiança, agora mais do que nunca.

“Vivemos em uma era de incertezas e choques”, disse o presidente chileno Gabriel Borek. “É evidente hoje em dia que nenhuma nação, grande ou pequena, humilde ou poderosa, pode se salvar sozinha.”

Ou, nas palavras de Guterres, “Vamos agir como um, como uma aliança do mundo, como as Nações Unidas”.

READ  Turquia: Pelo menos 35 pessoas morreram em acidentes separados em locais de acidentes | Notícia

Raramente é tão fácil. Como o próprio Guterres apontou, as divisões geopolíticas minam o trabalho do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o direito internacional, a confiança das pessoas nas instituições democráticas e a maioria das formas de cooperação internacional.

O secretário-geral disse: “A discórdia entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, entre o Norte e o Sul, entre os privilegiados e os demais, está se tornando cada vez mais grave a cada dia”. “São as raízes das tensões geopolíticas e da desconfiança que envenenam todas as áreas da cooperação global, de vacinas a sanções e comércio.”

Enquanto os apelos para manter a cooperação internacional em larga escala – ou multilateralismo, no jargão diplomático – abundam, ideias divergentes sobre o equilíbrio entre trabalhar em conjunto e autodefesa, e sobre se a “ordem internacional” criada após a Segunda Guerra Mundial precisa ser -estabelecido.

“Queremos um pluralismo aberto que respeite nossas diferenças”, disse o presidente senegalês Macky Sall. Ele acrescentou que a ONU poderia ganhar o apoio de todas as nações apenas “com base em ideais compartilhados, não com base em valores locais que são definidos como padrões globais”.

Depois que a pandemia forçou uma reunião totalmente virtual em 2020 e uma reunião mista no ano passado, delegados que refletem as nações e culturas do mundo estão enchendo os corredores da sede das Nações Unidas novamente nesta semana. Antes do início da reunião, líderes e ministros usando máscaras percorriam o salão da assembléia, falando individualmente e em grupos.

Foi um sinal de que, apesar do estado fragmentado da comunidade internacional, as Nações Unidas continuam sendo o principal local de encontro dos líderes mundiais. Quase 150 chefes de estado e de governo se inscreveram para falar durante o “debate geral” de quase uma semana, um grande número que demonstra a singularidade do encontro como um lugar para dar suas opiniões e se reunir em particular para discutir vários desafios – e eles esperam, algum progresso.

READ  Discurso de Edmonton: Papa pede desculpas por 'mal infeliz' de abuso de indígenas em internatos católicos canadenses

Guterres fez questão de começar com uma nota de esperança. Ele mostrou uma foto do primeiro navio fretado pela ONU transportando grãos da Ucrânia – parte de um acordo entre a Ucrânia e a Rússia que a ONU e a Turquia ajudaram a intermediar – para o Chifre da África, onde milhões de pessoas vivem à beira da fome. Ele exemplificou a promessa “em um mundo repleto de turbulências”.

A invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro esteve no topo da agenda de muitos oradores.

O conflito se tornou a maior guerra da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, abrindo divisões entre as grandes potências de uma forma não vista desde a Guerra Fria. Também levantou temores de um desastre nuclear em uma grande usina no sudeste da Ucrânia, que agora é ocupada pela Rússia.

Enquanto isso, a perda de importantes exportações de grãos e fertilizantes da Ucrânia e da Rússia levou a uma crise alimentar, especialmente nos países em desenvolvimento, e à inflação e ao aumento do custo de vida em muitas nações.

Como observou o rei Abdullah II da Jordânia, os países ricos que passam por experiências incomuns de escassez estão “descobrindo uma verdade que as pessoas nos países em desenvolvimento conhecem há muito tempo: para que os países prosperem, alimentos acessíveis devem chegar à mesa de todas as famílias”.

Líderes em muitos países estão tentando evitar uma guerra mais ampla e restaurar a paz na Europa. No entanto, os diplomatas não esperam avanços nesta semana.

Em um comovente discurso ao Parlamento, o presidente francês Emmanuel Macron disse que nenhum país poderia ficar de lado diante da agressão russa. Ele acusou aqueles que permanecem em silêncio de serem “de alguma forma cúmplices de uma nova causa do imperialismo” que atropela a ordem mundial existente e torna a paz impossível.

READ  Lavrov se retira das negociações do G-20 após negar que a Rússia está causando crise alimentar | G20

A presidente eslovaca Zuzana Caputova há muito confia na Rússia para petróleo e gás. Mas ela observou que a Eslováquia forneceu assistência militar à vizinha Ucrânia.

“Nós, os membros das Nações Unidas, precisamos ficar claramente do lado da vítima sobre o agressor”, disse ela.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro pediu um cessar-fogo imediato na Ucrânia, a proteção dos civis e a “preservação de todos os canais de diálogo entre as partes”. Mas ele se opôs ao que chamou de sanções ocidentais “unilaterais ou unilaterais”, dizendo que prejudicaram a recuperação econômica e ameaçaram os direitos humanos de populações vulneráveis.

Nem a Ucrânia nem a Rússia vieram falar. O conselho concordou em permitir que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky falasse por vídeo, apesar das objeções da Rússia e de alguns de seus aliados.

Zelensky deve fazer um discurso na quarta-feira, bem como um discurso do presidente dos EUA, Joe Biden, pessoalmente. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, deve subir ao pódio no sábado.

___

Edith M. contribuiu para este relatório. Lederer, correspondente-chefe da ONU para a Associated Press. Para mais cobertura da AP da Assembleia Geral das Nações Unidas, visite https://apnews.com/hub/united-nations-general-assembly