Dezembro 5, 2021

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O primeiro-ministro português disse que não vai renunciar se o orçamento for rejeitado

O primeiro-ministro português, Antonio Costa, fala na conferência de imprensa da Cúpula da UE em 8 de maio de 2021 no Porto, Portugal. Por Louis Vieira / Bull REUTERS / Arquivo de fotos

LISBOA, 26 de outubro (Reuters) – O primeiro-ministro Antonio Costa disse na terça-feira que não desistiria de suas esperanças de realizar uma eleição suplementar em Portugal, já que o parlamento rejeitou o orçamento de 2022. O negócio está desmoronando.

Seu aliado minoritário de esquerda do governo socialista disse que votaria contra o projeto na primeira leitura na quarta-feira, deixando três membros ausentes no parlamento de 230 cadeiras, deixando algumas chances de aprovação.

“Este não é um momento para voltar a ter problemas, mas um momento para enfrentar as dificuldades, por isso não vou embora”, disse Costa ao parlamento.

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa alertou na segunda-feira que sem um orçamento e dependendo fortemente do fundo de recuperação da epidemia da UE, ele não teria escolha a não ser dissolver o parlamento e convocar eleições antecipadas dois anos antes do previsto.

A crise em Portugal, um dos maiores pesos da dívida pública na Europa e sujeita a dolorosas medidas de austeridade ao abrigo do resgate internacional em 2011-14, pode pôr fim a seis anos de relativa estabilidade sob os socialistas.

Antes da epidemia de COVID-19, o governo da Costa alcançou um pequeno superávit orçamentário após o sólido crescimento econômico elogiado por seus aliados da UE.

“Valorizamos os portugueses que não gostam da crise”, disse Costa. “Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para fechar o negócio, mas não a qualquer custo”, acrescentou, explicando que a credibilidade internacional de Portugal, conquistada a duras penas, deve ser protegida.

READ  Ministro do Interior de Portugal renuncia após uma série de escândalos

Comunistas e esquerdistas dizem que o governo está se concentrando mais na redução dos déficits. Eles exigem maiores benefícios e proteções para os trabalhadores, melhorias no sistema de seguridade social e maior investimento público em saúde.

As eleições devem ser realizadas nos próximos 55 dias após a dissolução do parlamento pelo presidente. Rebel de Souza disse que a votação pode ocorrer no final de janeiro ou início de fevereiro. Costa continuará sendo o chefe do governo provisório até o fim das eleições.

Na ausência de um novo orçamento, o governo poderia revisar o orçamento voltado para o desenvolvimento deste ano, que inclui bilhões de euros para apoiar empresas e famílias durante epidemias.

Analistas dizem que uma eleição não resolverá a luta pelo poder.

As pesquisas mostram o mesmo nível de apoio aos socialistas que na eleição de 2019, com 36% dos votos. Os comunistas e a esquerda têm apenas um dígito e perderão mais cadeiras.

Os principais da oposição, os social-democratas, receberam cerca de 27% dos votos e estão se preparando para a votação interna da liderança em dezembro.

Relatado por Andrei Khalip e Sergio Gonçalves; Edição de Alison Williams

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.