Julho 20, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Oficiais militares no Gabão afirmam ter tomado o poder após as eleições

Oficiais militares no Gabão afirmam ter tomado o poder após as eleições



CNN

Um grupo de oficiais do exército anunciou na quarta-feira que tinha tomado o poder no Gabão, poucos minutos depois de o presidente Ali Bongo ter vencido uma eleição disputada, estendendo o domínio de meio século da sua família sobre o país da África Central.

Os oficiais, que afirmam representar as “forças de defesa e segurança” do país, fizeram o anúncio num discurso televisivo no canal de notícias Gabon24. Visto pela CNN no X, anteriormente conhecido como Twitter.

Em nome do povo gabonês e garante da proteção das instituições, CTRI [the Committee for the Transition and Restoration of Institutions] “Ele decidiu defender a paz pondo fim ao regime existente”, disse um oficial militar na transmissão.

A CNN não pode confirmar o vídeo de forma independente e ainda não conseguiu entrar em contato com o governo gabonês para comentar.

O militar disse na transmissão que os resultados eleitorais serão invalidados e as fronteiras do país serão fechadas até novo aviso.

“Todas as instituições da república foram dissolvidas: em particular o governo, o Senado, a Assembleia Nacional, o Tribunal Constitucional, o Conselho Económico, Social e Ambiental e o Conselho Eleitoral do Gabão”, disse o responsável.

“Apelamos ao povo do Gabão, às comunidades dos países vizinhos que vivem no Gabão, bem como à diáspora gabonesa, para que mantenham a calma.”

Um correspondente da Reuters disse que fortes tiros foram ouvidos na capital, Libreville, depois que ele apareceu na televisão.

Se for bem-sucedida, a tomada do poder marcaria o oitavo golpe de Estado na África Ocidental e Central desde 2020, informou a Reuters. Os golpes de Estado no Mali, na Guiné, no Burkina Faso, no Chade e no Níger minaram o progresso democrático nos últimos anos.

READ  Terremoto de magnitude 6,8 atinge Marrocos e Norte da África | Notícias do terremoto

Mais recentemente, a junta militar do Níger tomou o poder no país da África Ocidental no final de Julho, o que levou a União Africana a suspender o Níger do grupo de 55 Estados-membros. No início deste mês, o governante militar do Níger propôs um regresso à democracia dentro de três anos, dizendo que os princípios da transição seriam determinados nos próximos 30 dias.

Mais cedo na quarta-feira, a autoridade eleitoral do Gabão disse que Bongo venceu as eleições presidenciais com 64,27% dos votos, após um adiamento das eleições gerais que a oposição denunciou como fraudulentas.

A comissão eleitoral disse que o principal rival de Bongo, o co-candidato Albert Ondo Osa, ficou em segundo lugar com 30,77%. A equipe de Bongo rejeitou as alegações de irregularidades eleitorais de Ondo Ossa.

Ali Bongo, 64 anos, assumiu o poder para suceder ao seu pai, Omar Bongo, que morreu de ataque cardíaco enquanto recebia tratamento para um cancro do intestino numa clínica espanhola em 2009, após quase 42 anos no cargo.

Bongo Sr. assumiu o poder em 1967, sete anos depois de o país ter conquistado a independência da França.

Ele governou o pequeno país com mão de ferro, impondo um sistema de partido único durante anos e só permitindo um governo pluralista em 1991, embora o seu partido tenha mantido o controle do governo.

Nas eleições desta semana, Ali Bongo concorreu contra 18 adversários, seis dos quais apoiaram Ondo Ossa, antigo ministro e professor universitário, numa tentativa de estreitar a disputa. Muitos na oposição têm pressionado por mudanças no país empobrecido e rico em petróleo, com 2,3 milhões de habitantes.

As tensões estão elevadas em meio a temores de agitação após as eleições presidenciais, parlamentares e legislativas de sábado. A falta de observadores internacionais, a suspensão de algumas emissões estrangeiras e a decisão das autoridades de cortar o serviço de Internet e impor um recolher obrigatório nocturno em todo o país após as eleições levantaram preocupações sobre a transparência do processo eleitoral.

READ  Pelosi encontra o presidente de Taiwan: atualizações ao vivo

Antes das eleições, a organização sem fins lucrativos Repórteres Sem Fronteiras condenou o governo gabonês por obstruir a cobertura do evento pela imprensa estrangeira.

“Todos os correspondentes da imprensa estrangeira que queriam viajar para o Gabão para cobrir estas eleições foram recusados”, disse a organização, citando muitos jornalistas e meios de comunicação.

“É bastante anacrónico negar aos meios de comunicação estrangeiros a possibilidade de cobrir um momento tão importante na vida democrática de um país, quando a necessidade de reportagens diversificadas é tão crucial para a população”.

Na sexta-feira, um dia antes da votação, as Nações Unidas emitiram uma declaração apelando a um “processo eleitoral pacífico, inclusivo e credível”. Pediu a todas as partes interessadas, incluindo os candidatos eleitorais e os seus apoiantes, que “colocassem o interesse nacional acima de todas as outras considerações”.

Esta não é a primeira vez que o Gabão testemunhou uma luta pelo poder ou agitação em torno do governo de Bongo, algo ao qual os críticos muitas vezes se opuseram.

E em 2016, o edifício do parlamento foi incendiado quando eclodiram violentos protestos de rua contra a disputada reeleição de Bongo para um segundo mandato. O governo fechou o acesso à Internet por vários dias naquela época.

Uma tentativa de golpe ocorreu em 2019, quando um grupo de soldados e oficiais do Exército invadiu a sede da rádio e televisão estatal, fez reféns os funcionários e declarou que haviam assumido o controle do país.

Citando a sua insatisfação com Bongo como presidente, prometeram “restaurar a democracia” no país – antes que as forças de defesa e segurança do Gabão agissem para acabar com a tomada do poder e resgatar os reféns. Como resultado, dois soldados foram mortos e oito militares foram presos.

READ  As esperanças de vitória da Ucrânia estão a diminuir face ao declínio do apoio ocidental e à implacável máquina de guerra de Putin.