Julho 20, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Oficiais no Gabão anunciam um golpe militar e prendem o presidente Ali Bongo

Oficiais no Gabão anunciam um golpe militar e prendem o presidente Ali Bongo
  • A família Bongo governou o país por 56 anos
  • Celebrações de rua eclodiram na capital, Libreville
  • França, que tem tropas no Gabão, condena o golpe
  • Generais do Exército planejam reunião para escolher seu líder

LIBREVILLE (Reuters) – Oficiais militares do Gabão, produtor de petróleo, disseram que tomaram o poder na quarta-feira e colocaram o presidente Ali Bongo em prisão domiciliar, uma medida que ocorreu minutos depois de a comissão eleitoral do país centro-africano anunciar que ele havia conquistado um terceiro mandato.

Os oficiais, que afirmavam representar as forças armadas, anunciaram na televisão que os resultados eleitorais tinham sido anulados, as fronteiras fechadas e as instituições estatais dissolvidas, após uma votação tensa que deveria prolongar o governo da família Bongo por mais de meio século.

Um dos oficiais, Brice Olighe Nguema, que apareceu num vídeo como tendo sido recebido como seu líder, disse ao jornal francês Le Monde que ele e outros generais se reuniriam na quarta-feira para escolher alguém para chefiar o governo de transição.

Centenas de pessoas celebraram nas ruas da capital do Gabão, Libreville, a intervenção do exército, enquanto a União Africana e a França, o antigo governante colonial do Gabão e que tem forças ali estacionadas, condenaram o golpe.

Se for bem sucedido, o golpe no Gabão será o oitavo na África Ocidental e Central desde 2020. O mais recente, no Níger, ocorreu em Julho. Oficiais militares também tomaram o poder no Mali, na Guiné, no Burkina Faso e no Chade, anulando as conquistas democráticas obtidas desde a década de 1990 e provocando medo entre as potências estrangeiras com interesses estratégicos na região.

“Estou caminhando hoje porque me sinto feliz”, disse Jules Lebege, um desempregado de 27 anos que se juntou à multidão em Libreville. “Depois de quase 60 anos, os Bongos estão fora do poder.”

READ  A guerra entre Israel e o Hamas dura dois meses, com o Hamas a lançar dezenas de foguetes contra Israel

Bongo assumiu o poder em 2009, após a morte do seu pai, Omar, que governava o país desde 1967. Os opositores dizem que a família pouco fez para partilhar a riqueza petrolífera e mineira do estado com os seus 2,3 milhões de habitantes.

Agitações violentas eclodiram após a controversa vitória eleitoral de Bongo em 2016, e houve uma tentativa fracassada de golpe de Estado em 2019.

Os responsáveis ​​gaboneses, que se autodenominam Comité de Transição e Restauração Institucional, disseram que o país enfrenta uma “grave crise institucional, política, económica e social” e que a votação realizada em 26 de Agosto não foi credível.

Eles também disseram que prenderam Valentin, filho do presidente Noureddine Bongo, e outros sob acusações de corrupção e traição.

O comandante da Guarda Republicana, Nguema, disse ao jornal Le Monde que nenhum líder foi escolhido, mas que será realizada uma reunião na quarta-feira para tomar uma decisão.

Disse: “Todos apresentarão ideias e será escolhida a melhor, assim como o nome da pessoa que liderará o período de transição”.

Imagens de televisão mostraram um homem que parecia ser Nguema a ser segurado por soldados que gritavam “Presidente Olegy” usando um dos seus nomes.

Não houve comentários imediatos do governo gabonês e não foi possível confirmar o paradeiro de Bongo.

O exército gabonês é visto na televisão anunciando que tomou o poder após a reeleição do presidente Ali Bongo Ondimba, nesta foto obtida pela Reuters em 30 de agosto de 2023. Gabão 1ere/Divulgação via REUTERS Obtenha direitos de licenciamento

Gráficos da Reuters Gráficos da Reuters

“Infecção” de inversão

Bongo, 64 anos, foi visto votando pela última vez no sábado. Antes da votação, ele parecia mais saudável do que sua péssima aparição na TV, após sofrer um derrame em 2018.

READ  Rússia pressiona ofensiva no Donbass enquanto líder polonês visita Kiev

Ao contrário do Níger e de outros países do Sahel, o Gabão, que fica a sul, na costa atlântica, não teve de combater insurreições islâmicas desestabilizadoras. Mas o golpe é outro sinal de declínio democrático na conturbada região.

O presidente nigeriano, Bola Tinubu, actual chefe da CEDEAO, disse que o “contágio do autoritarismo” estava a espalhar-se por todo o continente. Ele disse que estava a trabalhar em estreita colaboração com outros líderes africanos sobre como responder no Gabão.

A União Africana condenou os acontecimentos e apelou ao exército para garantir a segurança de Bongo e da sua família, enquanto a China e a Rússia expressaram a sua esperança de que a estabilidade regressasse rapidamente.

O porta-voz do governo francês, Olivier Veran, disse: “Condenamos o golpe militar e recordamos o nosso compromisso de realizar eleições livres e transparentes”.

O golpe cria ainda mais incerteza sobre a presença francesa na região. A França tem cerca de 350 soldados no Gabão. As suas forças foram expulsas do Mali e do Burkina Faso após golpes de estado ocorridos nos últimos dois anos.

A mineradora francesa Eramit, que tem grandes operações de manganês no Gabão, disse que suspendeu as operações.

O Gabão produz cerca de 200 mil barris de petróleo por dia, a maior parte proveniente de campos esgotados. Entre as empresas internacionais estão a francesa Total Energy e a anglo-francesa Perenco.

Foram levantadas preocupações sobre a transparência das eleições do fim de semana devido à falta de observadores internacionais, à suspensão de algumas transmissões estrangeiras, à decisão de cortar o serviço de Internet e à imposição de um recolher obrigatório noturno após a votação. A equipe de Bongo rejeitou as acusações de fraude.

Na quarta-feira, o acesso à Internet parecia ter sido restaurado pela primeira vez desde a votação.

READ  Guerra na Ucrânia faz investidores pensarem em uma segunda guerra fria

Pouco antes do anúncio do golpe, o órgão eleitoral anunciou que Bongo havia vencido as eleições com 64,27% dos votos e disse que seu principal concorrente, Albert Ondo Osa, havia vencido 30,77%.

Os títulos denominados em dólares do Gabão caíram até 14 centavos na quarta-feira, antes de se recuperarem e serem negociados com queda de 9,5 centavos por dólar.

(Reportagem adicional de Alessandra Prentice, Elizabeth Pineau, Felix Onuah, Sophia Christensen, Sudeep Kar Gupta e Liz Lee – Preparado por Mohammed para o Boletim Árabe) Escrito por Nellie Beaton e Sophia Christensen. Editado por Simon Cameron-Moore, Edmund Blair e Mark Heinrich

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoabre uma nova aba