Agosto 7, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Os 50 melhores restaurantes portugueses do mundo

O restaurante lisboeta, definido como “o principal destino gastronómico da capital portuguesa”, é a única entrada portuguesa na lista dos 50 melhores do mundo (’50 melhores restaurantes do mundo’).

O Belconto, que tem duas estrelas Michelin, entrou pela primeira vez na lista em 2019, quando ficou em 42º lugar.

“Há seis anos que representamos Portugal nesta prestigiada lista. Este reconhecimento é muito importante para nós da equipa Belconto e para Lisboa e Portugal. Esta distinção ajuda a divulgar a gastronomia portuguesa para o mundo e a valorizar Lisboa e Portugal como destinos gastronómicos e turísticos. Marcos gastronómicos de diferentes países, cidades e regiões. Cada vez mais pessoas viajam em busca. A gastronomia é um aspecto importante de qualquer cultura. Cada vez mais, Portugal tem tudo para o tornar um destino gastronómico perfeito, disse José Avilés .

“Um estabelecimento lendário que abriu suas portas como clube masculino em 1958, o chef José Aviles assumiu o comando do Belconto em 2012. Sob sua orientação culinária, o restaurante recebeu sua primeira estrela Michelin; uma segunda seguiu dois anos depois”, cozinha de Aviles “faz pleno uso da costa portuguesa” E a organização afirma oferecer uma “jornada gastronómica pela cozinha portuguesa contemporânea”.

Este ano, Geranium (Copenhaga) liderou a lista – no ano passado, o restaurante do chef Rasmus Kofodin, com três estrelas Michelin, ficou em segundo lugar.

“O gerânio é um lugar holístico que abraça o círculo da vida. A comida é um conector, aproximando pessoas de todos os continentes”, disse Rasmus Kofot.













O Central, restaurante peruano de Virgilio Martínez e Pia Leon (4º no ano passado), subiu para o segundo lugar, enquanto o Disfrudatar (dos chefs Oriol Castro, Mateu Casanas e Edouard Chatroux) avançou para o terceiro lugar (5º lugar em 2021). )

READ  Portugal adia primeiro leilão aéreo marítimo, duplicando meta de capacidade