Junho 13, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Parlamento Centro-Americano expulsa Taiwan e torna a China observador permanente

Parlamento Centro-Americano expulsa Taiwan e torna a China observador permanente

21 de agosto (Reuters) – O parlamento da América Central votou nesta segunda-feira pela expulsão de Taiwan após mais de duas décadas de status de observador permanente e pela substituição do país pela China, cuja crescente influência econômica na América Latina tem marginalizado cada vez mais Taipei.

O parlamento de seis nações, conhecido como Parlasin, reuniu-se em Manágua, capital da Nicarágua, onde os legisladores locais propuseram adicionar a China, que afirma governar democraticamente Taiwan, como seu próprio território.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse que decidiu retirar-se imediatamente do Parlasin, a fim de preservar a “dignidade nacional”, e condenou o que chamou de esforços da China para suprimir a participação internacional de Taiwan.

Numa declaração, Parlasin referiu-se à decisão da ONU de expulsar Taiwan em 1971 em favor da China, dizendo que esta considerava Taiwan “uma província da China continental, o que a torna inelegível para participar como país independente”.

Pequim expandiu a sua influência na América Central, com deputados da Nicarágua, El Salvador, Honduras, Panamá e República Dominicana cortando relações diplomáticas com Taiwan nos últimos anos.

A Guatemala, o país mais populoso da América Central, é o único país parlamentar que ainda reconhece Taiwan.

Os senadores norte-americanos Tim Kaine, um democrata, e Marco Rubio, um republicano, que lideram a Subcomissão de Relações Exteriores do Senado para o Hemisfério Ocidental, condenaram a votação.

“Desde 1999, Taiwan tem servido como um parceiro forte no seu papel de observador permanente do Parlamento Centro-Americano, promovendo a boa governação e o desenvolvimento económico no nosso hemisfério”, afirmaram os senadores numa declaração conjunta.

Os senadores também acusaram a China de minar a democracia, impedir o crescimento regional e submeter os uigures da região de Xinjiang a inúmeras violações dos direitos humanos, incluindo genocídio.

READ  Alerta de viagem à Itália: tudo o que você precisa saber sobre inundações 'horríveis' que mataram 13 pessoas

A China negou veementemente quaisquer abusos em Xinjiang. A sua embaixada nos Estados Unidos não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Belize e Paraguai também mantêm relações com Taiwan, embora as autoridades dos EUA acreditem que o Paraguai poderá ser o próximo país das Américas a mudar de lealdade.

Os Estados Unidos reconhecem a China diplomaticamente, mas mantêm relações não oficiais com Taipei, e a administração Biden disse que se opõe aos esforços para mudar o status quo em Taiwan.

(Reportagem de Ismail Lopez; Preparado por Mohamed para The Arab Bulletin) Reportagem adicional de Ben Blanchard em Taipei; Escrito por Sarah Moreland

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Aquisição de direitos de licenciamentoabre uma nova guia