Dezembro 5, 2021

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Portugal vai às urnas no dia 30 de janeiro e estabilidade política enfraquece

LISBOA, 4 de novembro (Reuters) – As eleições de 2 de janeiro em Portugal serão convocadas na quinta-feira, uma semana depois que o parlamento rejeitou o projeto de lei do orçamento de 2022 do governo socialista minoritário. Indo às urnas no dia 30. Estabilidade.

“Em momentos como este sempre há uma solução na democracia, sem drama ou medo … devolver a palavra ao povo”, disse o presidente Marcelo Rebello de Souza em discurso televisionado. “A única forma de deixar os portugueses … é determinar o que querem nos próximos anos.

O Bloco de Esquerda e os comunistas, os ex-aliados de esquerda dos socialistas, junto com todos os partidos de direita, rejeitaram o orçamento. Rebelde de Sousa disse que a rejeição deixou o partido no poder “sozinho”.

O Partido Socialista, que chegou ao poder em 2015, alcançou um sólido crescimento econômico após quatro anos de medidas de austeridade sob resgate internacional e foi capaz de legislar sob um acordo com aliados de esquerda.

Rebelo de Sousa disse que os portugueses pretendem que o orçamento seja aprovado quando Portugal se recuperar da epidemia de COVID-19 e que não tem escolha senão dissolver o parlamento e convocar eleições.

Ele disse que a campanha eleitoral começaria após o dia de Ano Novo, dois anos antes do planejado.

Pouco depois de Rebelo de Sousa convocar eleições, o vice-presidente socialista José Luís Carneiro apelou ao voto do povo, dizendo que o seu partido tinha tentado “de tudo” para evitar esta crise política.

A maioria dos portugueses renunciou, dizendo que um referendo precoce, mesmo que necessário, só iria prolongar o impasse político e trazer mais dificuldades.

Em uma pesquisa da Aximage divulgada na quinta-feira, 54% dos entrevistados em 803 disseram que uma eleição rápida foi “ruim para o país” e 68% acreditam que nenhum partido vai ganhar a maioria no parlamento.

READ  O risco de infecção aumenta para 29 nos municípios portugueses que são "alto" ou "muito alto"

‘Mal necessário’

“Mais ou menos, estávamos muito estáveis, especialmente com a situação epidêmica”, disse o aposentado lisboeta Lionel Pereira, de 66 anos, à Reuters na quinta-feira. “Simplesmente veio ao nosso conhecimento então.

Marta Amaral, 51, de Lisboa, chamou a eleição de um “mal necessário”. “Não seria bom, mas não havia outra maneira”, disse ela.

As eleições por si só não resolverão o impasse político, já que as pesquisas mostram que nenhum partido ou coalizão conhecida provavelmente obterá maioria estável.

No entanto, Sonia Oliveira, 44, que mora em outra Lisboa, mostrou-se otimista.

“Espero que haja mais alianças, e eles se unam mais para o bem do povo, porque somos nós que sofremos e mais ninguém”.

Os mercados têm estado calmos até agora, com os rendimentos dos títulos de 10 anos de Portugal amplamente voláteis nos últimos dias, em linha com os seus homólogos da UE, e caíram para meados de outubro na quinta-feira.

O apoio aos socialistas de centro-esquerda não mudou em nada dos 36% ganhos na última eleição nacional em 2019, com os social-democratas de centro-direita em segundo lugar, com cerca de 27%.

O único partido que claramente se beneficiará com a eleição é o Seka, de extrema direita, que emergirá como a terceira força mais forte no parlamento, mas é considerado por analistas políticos como o mais tóxico como parceiro potencial para qualquer outro partido.

Relatório de Catarina Demoni e Sergio Concalves; Reportagem e redação adicionais por Andrei Khalip; Editando Grand McCauley

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.