Dezembro 5, 2021

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Saindo da Califórnia para o Texas? Não, obrigado. Portugal por outro lado …

Os californianos estão pirando com o número de pessoas que estão deixando nosso estado. Mas podemos ter que nos preocupar mais com a qualidade dessas partidas.

Os californianos têm que sonhar grande. Por que suas ambições são pequenas quando eles partem?

Portanto, vomitar é o suficiente para as subseções enfadonhas de Vegas. Deixe a quente fênix esfriar antes de assinar o contrato. Pense duas vezes antes de pagar um adiantamento por uma casa destruída pelo furacão em Houston. Se você vai sair de um estado incrível como o nosso, por que não se tornar um sucesso incrível?

Amon e Christina Browning podem mostrar como.

Há dois anos, Browings, que fez 40 anos, se aposentou e deixou o estado com suas duas filhas adolescentes. O destino deles: Portugal, a Califórnia é um dos poucos lugares no mundo que oferece um estilo de vida competitivo e com preços extremamente acessíveis.

Os Browns documentaram sua mudança em seu canal no YouTube, “Nossa próspera jornada” Esta coluna estimula fantasias sobre voos entre os californianos, inclusive. Então, abordei um casal que tem orgulho de estar na Califórnia. Para reconsiderar Shakespeare, não há nada como eles deixaram a Califórnia.

Amon, Urban Planning e Christina se encontraram com o advogado Cal Polly em San Luis Obispo. Christina, que imigrou para cá de Iowa aos 7 anos, cresceu em Stockton. Amon cresceu em Oakland e East Bay; Durante parte de sua infância, sua família viveu sem-teto.

Crescendo sem riqueza, Browings levava o fundo a sério. Depois de San Diego, Espanha e Japão – quando voltaram ao Golfo, há uma década, eles abraçaram Movimento de fogo (“Financial Freedom Retire Early”) e desenvolveu um plano para se aposentar em 10 anos.

READ  Ronaldo ajuda Portugal a vencer um amistoso no Qatar, Sérvia lidera

Para conseguir isso, eles estavam constantemente economizando (gastando 70% de sua renda), adicionando receita lado a lado (como dirigir até Uber e elevadores) e comprando casas de assentamento na Bay Area, ajustando-as ao local onde moravam, e depois vendê-los. Eles alcançaram sua meta financeira há dois anos.

“Não acho que poderíamos ter ganhado mais dinheiro e tido sucesso em nossa jornada se não estivéssemos na Califórnia”, diz Amon.

Se estivessem nos Estados Unidos, estariam na Califórnia. Mas o dinheiro deles pode ir para outro lugar, e eles sabem que querem viver no exterior.

Portugal proporcionou um clima igualmente maravilhoso, mas com menos crime (o que O terceiro país mais seguro do mundo) E lisboa Está no topo da lista das melhores cidades para criar filhosE Browings diz que as escolas de lá são mais acolhedoras e voltadas para a comunidade do que as escolas de segundo grau americanas. Portugal é saudável, com uma esperança média de vida de quatro anos a mais do que nos Estados Unidos e cuidados de saúde globais mais baratos. Amon e Christina ficaram maravilhados com a forma como os seus vizinhos aceitaram a vacina COVID, que uniu Portugal. A maioria dos países vacinados.

E a habitação é muito barata. Depois de um ano de aluguel para estudar o mercado e estabelecer a cidadania, eles compraram uma casa na costa central de Portugal, não muito longe da costa, por 190.000 euros (cerca de US $ 220.000). A localização deles custaria mais de um milhão para uma casa na Bay Area.

Embora aumentem seu canal no YouTube, eles também vendem aulas online relacionadas a finanças e CNBC & “Bom Dia America“Os Browns estão aproveitando a aposentadoria. Eles têm mais tempo e energia para os filhos, para eles próprios e para viagens baratas pela Europa.

READ  Viajar para Portugal durante o Govt-19: O que você precisa saber antes de partir

“É um ambiente muito sóbrio, paz de espírito – você não sente que está olhando por cima do ombro”, diz Christina.

Os pardos são afro-americanos, e seus amigos em casa costumam perguntar como a raça molda sua experiência europeia. A resposta deles é que eles se sentem confortáveis ​​e conectados; Lisboa e outras grandes cidades são muito diversificadas, com muitos negros da África e de outras partes da Europa.

“Quando estou na Califórnia, quando estou nos Estados Unidos, tenho que estar atento à raça onde quer que eu vá”, diz Amon. “Não tenho nenhum problema aqui, ou um relacionamento ruim com as pessoas aqui.”

A vida em Portugal não é propriamente certa. Aprender português é mais difícil do que eles pensavam (eles falam um pouco de espanhol e as semelhanças entre os dois idiomas podem tornar as coisas ainda mais confusas). Eles sentem falta da incomparável diversidade culinária da família, amigos e de seu próprio estado (especialmente comida mexicana e chinesa).

Browings diz que ama a Califórnia e continuará a visitá-la com a maior freqüência possível. Eles podem eventualmente se tornar picostais, dividindo seu tempo entre a costa oeste de Portugal e o Golden State.

“Não poderíamos nos imaginar vivendo em nenhum outro estado”, diz Christina. “Podemos sair do nada, experimentar como é em algum outro lugar e depois voltar se não conseguirmos lidar com o fato de estarmos longe da Califórnia.”

Afinal, uma partida adequada da Califórnia é aquela que abre as portas para o retorno.

Joe Matthews escreve a coluna Conectando a Califórnia Praça Pública Zócalo.