Junho 16, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Tropos expandem-se em Portugal

Tropos expandem-se em Portugal

A Tropes, com sede em Vélez-Málaga, empresa especializada em abacates e mangas, está de volta às notícias com seus planos de expansão. A empresa, que anunciou recentemente os seus objectivos de reforçar a sua presença em Cádiz, revelou agora planos semelhantes para Tavira, Portugal, onde pretende adicionar uma nova base fabril às suas instalações existentes.

O diretor da TRAPS, Enrique Coliles, disse que as obras de construção da nova infraestrutura, que deverá estar operacional no início de 2025, terão início no dia 2 de janeiro do próximo ano. O objetivo desta expansão é consolidar todas as fases do processo de fabricação em um só lugar. Coliles disse que o setor agroalimentar de Portugal está bem, enquanto a produção em Espanha caiu significativamente devido aos efeitos da seca.

Apesar desta expansão internacional, importa referir que a Traps não pretende reduzir a sua atividade em oito centros em Espanha (nove, se tivermos em conta o recentemente anunciado centro em Cádiz). A empresa está em busca de novos ativos. Coliles disse que actualmente estão a trazer a fruta de Portugal e a processá-la em Espanha. Disse ainda que têm tentado restabelecer o equilíbrio provocado pela disparidade de crescimento dos dois sectores, concentrando a produção num só local.

No entanto, as tropas enfrentaram obstáculos em outras frentes, disse Coliles. Um plano para construir uma central de dessalinização em Vélez-Málaga em colaboração com o Grupo Cobra e a Universidade de Málaga foi rejeitado. Coliles criticou a decisão, dizendo que a interpretação da Lei da Água não apoiava a sua proposta de exclusão. Segundo ele, o prémio destina-se a captar água para irrigação e consumo humano e, de acordo com a Lei Nacional das Águas, apenas uma entidade pública pode receber tal atribuição. Trapps propôs o plano em nome da Commonwealth, mas o plano foi rejeitado depois que a Commonwealth retirou o apoio ao plano. Coliles atribui esta decisão a uma mudança de opinião influenciada externamente e à preferência por outras instituições.

READ  O calor vai continuar em Portugal?

A decisão ainda pode ser contestada, mas o Coliseum anunciou que não a contestaria.

Fonte: malagahoy.es