Junho 13, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Xi Jinping, da China, prometeu construir uma “grande muralha de aço” no primeiro discurso de sua nova presidência

Xi Jinping, da China, prometeu construir uma “grande muralha de aço” no primeiro discurso de sua nova presidência

(CNN) O líder chinês Xi Jinping prometeu na segunda-feira aumentar a segurança nacional e transformar as forças armadas em uma “grande muralha de aço”, em seu primeiro discurso de seu terceiro mandato como presidente.

Falando na conclusão da reunião anual do parlamento da China, Xi enfatizou a necessidade de uma modernização abrangente da defesa nacional e das forças armadas.

“(Devemos) transformar o Exército Popular de Libertação em uma grande muralha de aço que proteja efetivamente a soberania nacional, a segurança e os interesses de desenvolvimento”, disse Xi a cerca de 3.000 delegados do Congresso Nacional do Povo.

Shi, 69, foi Aprovado por unanimidade pelo Congresso Nacional do Povo como presidente da China por mais um mandato de cinco anos em uma votação formal e cerimonial na sexta-feira, tornando-o o chefe de estado mais antigo da China comunista desde sua fundação em 1949.

No início de seu discurso na segunda-feira, Xi agradeceu aos delegados por renomeá-lo.

“Esta é a terceira vez que ocupo o cargo de presidente. A confiança do povo é a maior força motriz para eu seguir em frente, e também é uma responsabilidade pesada sobre meus ombros”, disse ele.

Como em seus muitos discursos anteriores, Xi adotou um tom nacionalista, citando as dificuldades que a China sofreu nas mãos de “intimidar as potências estrangeiras” nos tempos modernos e observando como o Partido Comunista levou o país a “apagar a humilhação nacional”.

“O povo chinês se tornou dono de seu próprio destino”, disse ele. “O grande rejuvenescimento da nação chinesa entrou em um processo histórico irreversível.”

Segundo Xi, o “núcleo” dessa renovação é a “unificação nacional”, ou seja, a “reunificação” de Taiwan com a China continental.

READ  Rússia atinge usinas de energia após contra-ataque da Ucrânia

O Partido Comunista Chinês afirma que a democracia autônoma em Taiwan faz parte de seu território, embora nunca a tenha controlado, e se recusa a descartar o uso da força.

Sob Xi, Pequim intensificou sua pressão econômica, diplomática e militar sobre a democracia da ilha. A invasão russa da Ucrânia, que Pequim não condenou, também aumentou os temores de que Xi esteja tentando fazer algo semelhante nos próximos anos.

“Nós devemos… pessoas.

Xi também pediu à China que coordene melhor o desenvolvimento e a segurança.

“A segurança é a base do desenvolvimento e a estabilidade é um pré-requisito para a prosperidade”, disse ele.

Durante a primeira década de seu governo, Xi desencadeou amplas reformas nas forças armadas chinesas para torná-las uma força de combate moderna e construiu sua marinha para se tornar a maior do mundo.

O orçamento militar anual da China será em 7,2% este ano para quase 1,55 trilhão de yuans (US$ 224 bilhões), em meio a crescentes tensões geopolíticas e corrida armamentista regional.

Ele também consolidou seu controle sobre os braços militares e civis do governo, tornando-se o líder mais assertivo e dominante da China em uma geração.

O foco no reforço da segurança e das forças armadas ocorre no momento em que as relações da China com os Estados Unidos estão em seu ponto mais baixo em décadas, com as tensões aumentando em setores do comércio e tecnologia à geopolítica, especialmente o futuro de Taiwan.

Na semana passada, em comentários extraordinariamente diretos, Xi acusou os Estados Unidos de liderar os países ocidentais para “conter e suprimir” a China e torná-la “desafios sérios sem precedentes”.

O novo ministro das Relações Exteriores de Xi, Chen Gang, alertou que se os Estados Unidos não “pusessem o freio”, as duas superpotências certamente cairiam em “conflito e confronto”.

READ  Cobertores de neve padrão de Moscou