Dezembro 7, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Biden diz que o Hamas atacou Israel em parte para impedir o acordo saudita

Biden diz que o Hamas atacou Israel em parte para impedir o acordo saudita

WASHINGTON – O presidente Joe Biden disse na sexta-feira que acredita que o Hamas foi motivado em parte para atacar Israel pelo desejo de impedir que aquele país normalizasse as relações com a Arábia Saudita.

“Uma das razões… o Hamas se moveu em direção a Israel é porque eles sabiam que eu estava prestes a me sentar com os sauditas”, disse Biden em um evento de arrecadação de fundos para a campanha. O Presidente dos EUA indicou acreditar que os militantes do Hamas lançaram um ataque mortal em 7 de Outubro, porque “adivinha? Os sauditas queriam reconhecer Israel” e estavam prestes a poder fazê-lo oficialmente.

Jerusalém e Riade têm-se aproximado cada vez mais da normalização, à medida que Biden trabalha para ajudar a aproximar os dois países, anunciando planos em Setembro, na cimeira do G20 na Índia, para entrar numa parceria no corredor marítimo.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, reuniu-se com Biden à margem da Assembleia Geral da ONU em Setembro e disse-lhe: “Acredito que sob a sua liderança, Senhor Presidente, podemos alcançar uma paz histórica entre Israel e a Arábia Saudita”.

Os sauditas insistiam na protecção e nos direitos alargados para os interesses palestinianos como parte de qualquer acordo mais amplo com Israel. O acordo teria sido uma conquista diplomática que poderia ter permitido um reconhecimento mais amplo de Israel por outros países árabes de maioria muçulmana que se opuseram amplamente a Israel desde a sua criação, há 75 anos, em territórios onde os palestinianos residem há muito tempo.

Mas as negociações foram interrompidas depois que militantes do Hamas da sitiada Faixa de Gaza, onde vivem os palestinos, invadiram cidades israelenses próximas.

READ  Centenas de pessoas foram evacuadas quando um incêndio atingiu as favelas ao redor do elegante distrito de Gangnam, em Seul.

O ataque de 7 de outubro coincidiu com um importante feriado judaico. Isto levou Israel a lançar ataques aéreos retaliatórios que deixaram o mundo nervoso enquanto os Estados Unidos tentavam impedir a expansão da guerra, nos quais 1.400 israelitas e 4.137 palestinianos foram mortos. O Hamas também fez mais de 200 pessoas como reféns após o ataque inicial.

A campanha de normalização começou durante a administração do ex-presidente Donald Trump e foi descrita como os Acordos de Abraham. É um esforço ambicioso para remodelar a região e fortalecer a posição de Israel de forma histórica. Mas os críticos alertaram que ignora as anteriores exigências palestinianas de criação de um Estado.

O secretário de Estado, Antony Blinken, disse pouco depois dos ataques do Hamas que a liderança do grupo militante pode ter sido motivada em parte pelo desejo de frustrar os esforços dos EUA para estabelecer relações diplomáticas entre Israel e a Arábia Saudita.

Tal acordo entre Jerusalém e Riade seria uma conquista decisiva para o legado de Biden, Netanyahu e do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman.