Maio 27, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Por que o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, visita o Paquistão? | Notícias de política

Por que o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, visita o Paquistão?  |  Notícias de política

O presidente iraniano, Ibrahim Raisi, visita o Paquistão numa visita de três dias para discutir as relações regionais e bilaterais, dias depois de o Irão e Israel terem realizado ataques um contra o outro, ameaçando transformar a guerra de Gaza num conflito regional.

Raisi deverá manter conversações com a liderança sênior do Paquistão, incluindo o primeiro-ministro Shehbaz Sharif, enquanto os dois vizinhos procuram consertar as relações após os ataques mútuos com mísseis em janeiro.

A mídia local informou que Raisi também se reunirá com o general Asim Munir, chefe do exército paquistanês, que exerce enorme influência política e econômica no país do sul da Ásia.

Qual é a agenda da viagem?

Raisi chegou à capital, Islamabad, na segunda-feira, numa altura em que os dois vizinhos pretendem fortalecer os laços económicos, fronteiriços e energéticos.

“A República Islâmica do Irão, em linha com a sua política de vizinhança… está interessada em reforçar as relações com o Paquistão e, durante esta viagem, várias questões, incluindo questões económicas, comerciais, energéticas e fronteiriças, serão discutidas com o governo paquistanês”, disse um comunicado. declaração disse. De acordo com o que o Gabinete Presidencial Iraniano anunciou na segunda-feira.

Num comunicado divulgado no domingo, o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Paquistão apelou à melhoria das relações bilaterais.

“Os dois lados terão uma agenda ampla para fortalecer ainda mais as relações Paquistão-Irã e melhorar a cooperação em diversos campos, incluindo comércio, conectividade, energia, agricultura e comunicações interpessoais”, afirmou o comunicado.

Ela acrescentou que o Presidente iraniano visitará grandes cidades, incluindo Lahore e Karachi, e se concentrará nas relações bilaterais e comerciais.

Musharraf Al-Zaidi, sócio da empresa de consultoria Tadlab e antigo conselheiro do Ministério dos Negócios Estrangeiros, disse à Al Jazeera numa declaração escrita que a viagem de Raisi é “uma tentativa de assegurar expressões de apoio de Islamabad e Rawalpindi”. [military leadership] Quanto ao Irão – à medida que tropeça cada vez mais num conflito perigoso com Israel.

READ  Rússia é atingida por nova rodada de sanções dos EUA enquanto Biden denuncia grandes crimes de guerra

Al-Zaidi acrescentou que os pensadores estratégicos iranianos percebem que o Paquistão está a sofrer de uma crise política interna e de um conjunto crescente de factores económicos que limitam o âmbito do movimento relativo à participação do Paquistão no conflito em curso no Médio Oriente.

Qual é a situação das relações Irã-Paquistão?

O Irão e o Paquistão têm um historial de relações conturbadas, com cada um a acusar o outro de não conseguir controlar os grupos armados.

As tensões fronteiriças aumentaram em Janeiro, quando o Irão lançou ataques aéreos através da fronteira com o Paquistão, matando duas crianças. A mídia oficial iraniana disse que o ataque teve como alvo duas bases do grupo armado Jaish al-Adl. O Paquistão respondeu lançando um míssil contra o território iraniano e chamando de volta o seu embaixador em Teerã.

Mas os dois vizinhos decidiram acalmar as tensões, já que Teerão enviou o seu diplomata-chefe a Islamabad para melhorar as relações. Os dois países concordaram em enfrentar juntos a “ameaça do terrorismo”, especialmente na região fronteiriça. Antes da visita de Raisi, Teerão e Islamabad conversaram sobre o combate ao “terrorismo”.

“Naquela altura, o Paquistão tinha um governo provisório. O que os iranianos indicaram foi que, após a chegada do novo governo, poderia haver uma visita para reparar a relação e reconstruir a confiança”, disse Muhammad Faisal, investigador doutorado na Universidade de Tecnologia de Sydney. especializado em política externa do Paquistão.

Porque é que a relação Paquistão-Irão é vital?

Analistas de política externa no Paquistão apoiaram o reengajamento com o Irão, apesar das tensões fronteiriças.

“O Paquistão tem uma fronteira problemática com a Índia e também com o Afeganistão. Estabelecer uma relação normal e estável com o Irão foi de extrema importância para o Paquistão, e continua a sê-lo”, disse a veterana diplomata paquistanesa Maleeha Lodhi à Al Jazeera, na sequência das tensões fronteiriças em Janeiro. .

READ  Guerra da Ucrânia ao vivo: Putin ordena que os mercenários de Wagner assinem juramentos de lealdade após a morte de Prigozhin

Islamabad e Teerão pretendem impulsionar o comércio bilateral, que actualmente ascende a mais de 2 mil milhões de dólares.

Faisal disse à Al Jazeera que existe um comércio informal significativo entre os dois países, incluindo gás liquefeito de petróleo e petróleo bruto. Ele acrescentou que o Irã também fornece eletricidade à província do Baluchistão e a outras áreas fronteiriças do Paquistão.

Em maio de 2023, Sharif e Raisi abriram o primeiro mercado fronteiriço na passagem fronteiriça de Mand-Pishin.

Além disso, os dois vizinhos têm laços culturais e religiosos estreitos, com dezenas de milhares de minorias xiitas do Paquistão que vão todos os anos ao Irão para realizar a Umrah.

No entanto, Al-Zaidi, do Tadlab, disse que os laços culturais partilhados e as longas fronteiras – 900 quilómetros (559 milhas) – não se traduziram em intercâmbios entre pessoas e em laços comerciais profundos.

“Em vez disso, o comércio fica principalmente fora do âmbito oficial e as viagens são limitadas ao turismo religioso”, acrescentou.

Na véspera da sua viagem, o presidente iraniano estabeleceu a meta de alcançar 10 mil milhões de dólares em comércio bilateral, dizendo que o nível das relações económicas entre os dois países não é igual ao nível das relações políticas. Em Agosto passado, estabeleceram a meta comercial bilateral em 5 mil milhões de dólares.

Um plano para construir um gasoduto para exportar gás natural iraniano para o Paquistão foi paralisado em meio à oposição dos Estados Unidos, que impôs uma ampla gama de sanções a Teerã devido ao seu programa nuclear.

Faisal, da Universidade de Tecnologia de Sydney, disse que o gasoduto Paquistão-Irã poderá ser discutido durante as negociações.

Como o Paquistão respondeu às tensões entre o Irão e Israel?

Em 14 de abril, um dia após os ataques iranianos a Israel, o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão emitiu uma declaração pedindo a desescalada. A declaração considerou os acontecimentos “as repercussões do colapso da diplomacia”.

READ  Guerra na Ucrânia: EUA veem ‘progresso notável’ do exército ucraniano no sul

“Isto também sublinha as repercussões ‘graves’ nos casos em que o Conselho de Segurança da ONU é incapaz de cumprir as suas responsabilidades de manter a paz e a segurança internacionais”, afirmou o comunicado do ministério.

Ela acrescentou que o Paquistão sublinhou a necessidade de envidar esforços internacionais para evitar novas hostilidades na região e conseguir um cessar-fogo em Gaza.

“Tornou-se agora extremamente urgente estabilizar a situação e restaurar a paz. Apelamos a todas as partes para que exerçam a máxima contenção”, concluiu o comunicado.

O Paquistão não reconhece Israel e não tem canais diretos de comunicação com ele.

“Nos últimos anos, tem havido uma especulação crescente sobre as pressões exercidas pelos países do Conselho de Cooperação do Golfo [Gulf Cooperation Council] O Paquistão exigiu mudanças na sua política em relação à Palestina. Al-Zaidi disse: “Não há indicação de que tal mudança esteja sobre a mesa”.